sexta-feira, 28 de outubro de 2005

Andanças no Outro Mundo 2


Eis a segunda parte deste conto. Obrigado pelos comentários no post anterior, realmente há muita subjetividade aqui, pois esta é a melhor forma que eu encontro para me expressar. E não, não deve ser verdade que eu escrevo tão bem assim...

Ainda parece estranho ao andarilho toda aquela movimentação. Estava acostumado à solidão, embora não a visse como boa ou ruim. Era apenas uma outra maneira de viver. Com o tempo passou a gostar da idéia de pertencer a um grupo. E a caravana como um todo gostava de ter acolhido o andarilho.

Como sempre, havia entre os membros da caravana alguém que não gostava da influência de estrangeiros. Mas estes se resignaram, confiaram no andarilho, mesmo estando sempre com um pé atrás. Eles mesmos e toda a caravana não deixaram o andarilho perceber este medo. Este foi um grande erro. O andarilho pôde perceber isso algumas vezes, mas nunca teve certeza sobre sua intuição e por isso nunca perguntou. Este foi um erro ainda maior.

O andarilho passou a desejar ser da caravana. Unir-se a ela e nunca mais a deixar. Fazer parte do grupo. Em suas fórmulas e meditações ele passou a trabalhar para isso. Chegou a deixar de praticar o antigo conhecimento que o levou àquele vale onde encontrou a caravana, e isso também o cegou.

Os membros da caravana abandonaram alguns de seus antigos rituais, o andarilho esqueceu algumas de suas antigas fórmulas. Passaram a realizar rituais novos, que misturavam suas culturas e suas vidas.

Por esses motivos ambos começaram a se desviar de qualquer caminho. Passaram a andar em círculos. Faltava alguém perceber isso.

2 comentários:

Mário disse...

Eu já me toquei onde você quer chegar, já sim. Mas outro dia a gente conversa sobre isso, tomando um bom vinho.

Creio eu que o andarilho, pela coragem de tentar mudar, não se arrependeu de nada. Nem de andar em círculos.

CaNoPuS disse...

Po xis, tu devia fazer um zine.. ou um Outro zine, sei la.. teus textos são bons sim!!!