domingo, 18 de setembro de 2005

Segundo template do Blog

Segundo template do blog, feito só porque me prometeram fazê-lo e nunca fizeram...

Como o template ficou meio gay, vou falar de gays. Todos sabem sobre os novos freqüentadores da Praça da Gentilândia. Eles não têm espaço nos meios de comunicação para que todos saibam de sua existência, mas muitas pessoas já tiveram a chance de tomar conhecimento deles.

Eu e vários dos meus leitores (como se fossem muitos) freqüentávamos a praça quando eles começaram a aparecer por lá. Era um início discreto, percebíamos que eram pessoas felizes e que haviam encontrado um lugar onde podiam se encontrar e se relacionar da maneira que lhes agrada. Sempre estiveram lá mais "meninas" que "meninos"; mas depois apareceram por lá meninas no sentido mais nobre da palavra: garotas em uniformes de colégios "de elite" da cidade, daqueles que diferenciam os alunos do 3º ano. E elas não eram nem do 3º ano, portanto estavam longe dos 18.

O lance não é discutir educação ou costumes. É que cresceu além do aceitável para qualquer grupo humano. Não se vê um casal de namorados "convencionais" por aí fazendo o que algumas pessoas lá fazem. O fato de eles terem escolhido a homossexualidade já lhes dá visibilidade suficiente para eles não precisarem exagerar tanto. Ou não?

"De fato, o que está em jogo é a moral sexual de uma elite conservadora. Temendo perder espaço na cidade, utiliza certos termos para encobri(sic) o que é óbvio." Isso foi escrito um folheto de protesto, (sic significa que o erro gramatical é do autor, eu apenas copiei sem alterar nenhuma palavra). Ainda tenho este folheto, assinado à mão pelo autor.

O que a elite perde com o crescimento do homossexualismo na cidade? No máximo, pais devem se preocupar com seus filhos menores de idade e com os maiores que ainda dependem deles.

"De um lado, alguns moradores condenam a falta de pudor destes jovens, do outro, a juventude reclama da repressão sofrida por parte do policiamento publico(sic)."

Ora, moradores. Pessoas que moram à praça, que vêem estas manifestações pela janela. Se incomodam porque não foi esta a educação que receberam. Que educação é melhor? E existe isso de educação melhor? Realmente a simples opção sexual deles e o ponto de encontro não são motivos para qualquer repressão, mas fazer pessoas se constrangerem com cenas que nunca haviam imaginado antes? Francamente...

domingo, 11 de setembro de 2005

Acaso e Destino

Bem, parece que agora está tudo nos trinques, vamos postar coisas melhores...

Depois de cada queda, a gente se levanta um pouco mais resistente. A gente avalia o que nos fez cair e descobre que não era tão trágico assim. Ou não.

De qualquer modo, ontem eu percebi como eu não sigo as coisas em que acredito. Pelo menos não sigo todas, ou parei de seguir algumas por um longo tempo. Uma dessas coisas é a minha definição de Acaso e Destino.

Não acredito em Acaso e Destino como forças sobrenaturais que movam as engrenagens do Universo, eles para mim são efeitos. Partes visíveis das coisas que acontecem ao nosso redor.

O Destino para mim é apenas uma representação das nossas preferências pessoais. Aquelas coisas que você nunca faria, ou que você faria são o seu Destino. Mesmo coisas que você nunca imaginou já estão descritas na sua personalidade. Você vai agir segundo seus princípios, isso é o seu Destino.

O Acaso é coisa mais profunda. Fruto de oscilações quânticas e outros eventos aleatórios que existem na natureza. Nada com o que se preocupar, ele não é sobrenatural, é apenas natural.
O impressionante é que eu sei que ninguém deve deixar de seguir seu Destino (sim, isso é uma opção). Acontece que podemos nos deparar com condições em que pensamos "eu mudei. Minha vida será diferente agora. Sou uma nova pessoa" sem que isso tenha acontecido realmente.

Para mudarmos, temos que alterar nosso Destino. Isso não é impossível ou difícil demais para um simples mortal, mas é necessário vontade. Temos que querer de verdade mudar. "Somos quem queremos ser" não é assim tão real. Nem sempre podemos querer alguma coisa. Melhor seria ter dito "Somos quem podemos ser" pois só queremos aquilo que podemos.

Muitas vezes pensamos que queremos algo novo em nossas vidas, mas é apenas ilusão, nós nunca mudaríamos para aceitar aquilo. Mesmo assim acreditamos que queremos mudar, sem podermos mudar. Vivemos a ilusão por um tempo e depois algo nos tira de lá. Pode ser algo vindo de nós ou vindo dos outros, mas a ilusão não dura para sempre, logos entendemos que aquilo não é o nosso Destino.

Nem é de todo ruim viver uma ilusão. Pode parecer vazio no final, mas se durante o meio ela for plena, então valeu a pena ter se desviado por um momento de seu Destino. Deixar o acaso lhe trazer de volta e entender que não deve ser doloroso é importante para entendermos quem somos.

quarta-feira, 7 de setembro de 2005

3º teste

Terceiro post e ainda não sei se vou conseguir fazer os acentos funcionarem. Ah, sim, pra quem prestou atenção, no primeiro post há acento, mas para isso eu usei um código html. Não vai ser exatamente difícil escrever sempre usando códigos (eu tenho um programa que faz isso pra mim ;) mas eu preferiria não precisar.
Este post foi gerado no Word (blerg!) e publicado com o plugin do Blogger na esperança de que assim o problema dos acentos sejam resolvidos. Tomara.
De qualquer maneira possivelmente a partir do próximo post eu colocarei conteúdo de verdade, não se desesperem, e sim leiam, comentem e divulguem.

terça-feira, 6 de setembro de 2005

Segunda Postagem

Ok, pessoal, vamos ver...
Voltei com esse negócio de Blog e parece que esse não gosta muito de acentos...
Vamos ver onde vai dar. O template eu estou aprendendo a fazer olhando os blogs dos outros, este eu copiei o estilo de uns blogs que eu visito sempre.
A figura é de saturno. Quem quiser uma explicação do que é tem aqui: Saturn at Night, mas é em inglês...