terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Metafísicas

"Há metafísica bastante em não pensar em nada", me diz Caeiro por Fernando Pessoa. Caeiro tem uma certa raiva dessa tal de metafísica, ao contrário de mim...



Eu quase que vivo de metafísica. Foi depois de receber uma crítica

(crítica bastante construtiva, que fique claro)

sobre minha falta de ímpeto e de comunicação verbal

que eu pude verificar: minha maneira de enxergar o mundo

me faz subentender coisas difíceis de subentender.



Enquanto isso significa que estou um passo à frente

em vários assuntos e que entendo coisas complicadas mais rapidamente,

tudo bem.

Mas às vezes a naturalidade com que vivo isso me ilude

e eu acabo por exigir - indiretamente - de outras pessoas o mesmo entendimento.



Vejam bem: não sou superior a ninguém

por ser autodidata em vários assuntos

por entender coisas complicadas como

__física de partículas

__programação orientada a objetos e a gambiarras

__ou o comportamento do dna

__ou a declinação dos adjetivos do alemão.

Apenas tenho facilidade para esses assuntos, mas perguntem que tipo de músicas eu sei dançar.



É um assunto longo, com muitas ramificações, e eu não terei concentração para aprofundar nenhuma delas aqui.

3 comentários:

Xisberto disse...

Acabei dizendo quase nada do que queria dizer...

CheiaDeVida disse...

Eu não entendo nada de metafísica... mas pelo menos eu sei dançar!
E me sinto muito superior por causa disso: principalmente se estiver de salto alto! =D

Kio disse...

Sem dúvida, não é estranho alguém que, com um certo conhecimento em uma determinada área ás vezes tome por familiarizada com esta uma outra pessoa, coisa que nem sempre acontece. Acredito que seja uma forma de manter-nos "alertas" para a sensibilidade, já que depois de algumas ocorrências acabamos por pensar no que o outro pode pensar ou entender, e daí vem o questionamento e, consequentemente, a sensibilização do Ser.