domingo, 29 de outubro de 2006

Um Novo Ciclo



Um desafio, uma grande mudança, todo um novo mundo a descobrir: conhecer uma pessoa. Entrar na vida dela e deixá-la entrar na sua. É preciso bastante vontade, é preciso querer isso tudo.



É preciso abrir mão. Se doar, mas não demais. Ontem assisti um pedaço do Café Filosófico e o tio disse que num relacionamento "os dois têm que ceder um pouco para que um não tenha que ceder tudo".



É o que penso sobre relacionamentos, e tem a ver com o post anterior. E é o que tenho para fazer amanhã, vou dar uma chance, vou ceder um pouco. Preciso mudar de ares, estou em início de um ciclo, ciclo este que parece ser bastante interessante...



Quero dar a mim uma chance de explorar um novo mundo, de me aventurar ao desconhecido, e também dar essa chance a alguém. Mas tenho encontrado coisas estranhas, dúbias, incertas. Desinteresse de sua parte? Mas você me procurou também. O que devo pensar? Nada penso, não gosto de ficar imaginando coisas e tendo idéias absudas antes saber realmente do que se trata.



sexta-feira, 13 de outubro de 2006

Tem título não.


Afinal, essa coisa de ciclos, de que tudo vai e volta é mesmo assim? É realmente como as coisas acontecem?



Energia, meu povo, tudo é energia. Você é energia. Esse é o princípio da bomba atômica: transformar matéria em energia, e essa energia transforma tudo ao redor. Nâo, não é destruição, é transformação.



Energia existe para fluir. É o seu natural. É como as coisas acontecem: a energia passa e causa reações diversas, de acordo com o tipo de energia e interação que ocorre. E há os circuitos, por onde a energia passa, por onde ela "dá a volta" e retorna à origem e passa denovo e causa mais reações e interações e retorna à origem... É um ciclo.



Mas a energia pode ser aprisionada. Condensada. Você que o diga. Matéria, coisa estática, cheia de inércia. Só muda quando a energia passa por ela. E a própria matéria é energia condensada, aprisionada, espremida ao máximo. Se entra em desequilíbrio, se fica instável, basta um neutron e ela se liberta. Se quebra em pedaços, e as sobras se tornam energia novamente e saem as partículas como loucas, interagindo e transformando tudo ao redor. Reação em cadeia.



Chamamos de destruição quando ocorrem mudanças tão bruscas e tão grandes. Estamos acostumados a aprisionar a energia e colecionar objetos. Tê-los conosco é bom, e também estamos nós mesmos transformados em matéria e nos aprisionamos.



Pareceu que eu estava falando de física e química? Tomara que não, eu estava falando de pessoas, comportamentos. Querer que algo aconteça e usar um "cirtuito" é uma coisa, condensar energia e aprisioná-la é outra. Mas não pode fugir do normal e começarmos a aprisionar gente. Dedicação não é devoção.



Não quero mudar a sua maneira de pensar. Quero que você pense nela.

sábado, 7 de outubro de 2006

Ensaios


Tanto o que fazer que fica difícil postar aqui. Mas ainda tive tempo para ler "Ensaio sobre a lucidez", de josé saramago. Terminei ontem antes da aula. Muito feliz que, durante a leitura, vi que vão filmar o "Ensaio sobre a cegueira", de saramago também. Um filme para se assistir muitas vezes. E para torcer que continuem e filmem o "sobre a lucidez".



Não acho que vou continuar com o "Contos Inacabados" agora, talvez quando estiver de férias (do CEFET) mesmo. Por enquanto, escrevo o projeto da monografia...